O Renascimento Old School – Parte II

Os principais “retrô-clones” criados de 2000 para cá são os seguintes:

  • Hackmaster:

O jogo que pode ser considerado como o primeiro retrô-clone feito é Hackmaster, publicado pela Kenzer & Company em 2001. Surgido como um jogo fictício nas tirinhas Knights of the Dinner Table, é um RPG de paródia/humor, mas pode ser jogado de forma “séria”.

As regras contêm elementos das duas edições de AD&D (mais suplementos como Unearthed Arcana e Oriental Adventures), formando um sistema quase idêntico às versões “avançadas”. No site oficial do jogo é possível até encontrar um guia para a conversão de personagens da 1E. Os “livros básicos” são o Player’s Handbook (dos jogadores), o Game Master’s Guide (dos mestres) e a Hacklopedia of Beasts, série em 8 volumes que contém os monstros do jogo. Mais tarde a Kenzer lançou o Hackmaster Fiend Manual, que continha as criaturas mais populares em um só volume.

Capa do Players Handbook

Capa do Player's Handbook

O cenário original do jogo era o Garweeze Wurld, mas em 2007 a editora anunciou que Kingdoms of Kalamar (que já era publicado desde 1994) seria o novo cenário padrão. Várias aventuras já foram lançadas para o jogo, quase sempre fazendo referências (cômicas) a antigos módulos do AD&D.

Capa do módulo Robinloft

Capa do módulo Robinloft

Em 2002, Hackmaster ganhou o Origins Award de “Jogo do Ano”.

Clique aqui para visitar o site oficial de Hackmaster.

  • Castles & Crusades:

Castles & Crusades foi publicado pela Troll Lord Games em 2004. Talvez o mais “moderno” de todos os jogos criados durante esse período de “renascimento”, C&C tem elementos tanto do Original D&D quanto do D&D 3ª Edição.

O sistema de C&C é chamado de SIEGE Engine. Por não ter perícias, o jogador deve escolher, entre as 6 habilidades clássicas, 3 para serem primárias. Toda habilidade “prime” (como é chamado no jogo) ganha mais 30% (+6 em um d20) de chance de sucesso em relação à quem não escolheu aquela característica como sua habilidade principal. Cada combinação de prime habilities gera possibilidades bem diferentes, mesmo que os personagens sejam da mesma classe. As regras estão divididas em 2 livros, o Players Handbook e o Monsters & Treasure.

23 Castle Keepers (como são chamados os mestres no jogo) fizeram um documento chamado “Por que jogar Castles & Crusades?”, que você pode conferir em inglês aqui.

Capa do Players Handbook

Capa do Players Handbook

De 2005 até 2008, Gary Gygax lançou pela Troll Lord Games (e em compatibilidade com Castles & Crusades) o cenário Castle Zagyg, sua versão para o Castle Greyhawk (uma das dungeons mais famosas de Greyhawk). Castles & Crusades que, aliás, era uma sociedade de wargames fundada por Gygax em 1968, e foi de onde tiraram o nome do RPG. De qualquer forma, no fim de 2008 a família de Gary “caçou” a licença da Troll Lord Games, que não poderia mais produzir o cenário e outros jogos do criador de D&D.

Capa de Castle Zagyg: Yggsburgh

Capa de Castle Zagyg: Yggsburgh

Clique aqui para visitar o site oficial de Castles & Crusades.

  • Basic Fantasy RPG:

O BFRPG, criado por Chris Gonnerman, é inspirado nos sets Basic e Expert de D&D, editados em 1981 por Tom Moldvay e David Cook, respectivamente. Lançado em 2006, é um marco na “Old School Renaissance”, tanto pelas regras simples quanto por ser o primeiro a ser distribuído gratuitamente na internet. A origem do Basic Fantasy foi o Project74, outro projeto de Gonnerman, uma coletânea de house-rules que evoluiu para um jogo inteiro, compatível com (A)D&D. Mas ao contrário de P74, o BF está totalmente de acordo com a OGL e pode ser publicado sem problemas.

Apesar da grande semelhança com o Basic D&D de 81, há alguns elementos do Sistema d20, como a Categoria de Armadura ascendente, separação entre classe e raça e um bônus simples para cada atributo. Muitos netbooks com regras alternativas estão disponíveis no site, mas é desejo do autor que o jogo permaneça o mais simples possível, por isso é tudo opcional e por melhor que o material seja, é difícil que seja incluído no livro básico. O próprio criador do jogo participa de alguns fóruns na internet, tirando dúvidas dos jogadores/mestres sobre o jogo e desenvolvendo suplementos.

Capa do livro básico

Capa do livro básico

Tudo o que você precisa para jogar está contido em apenas um livro, disponível para download gratuito. Através do site de print-on-demand Lulu.com, é possível comprá-lo em capa dura, em encadernação simples ou em espiral.

Para baixar o jogo, é só visitar o site oficial. Se estiver interessado na versão impressa, visite a loja do Basic Fantasy no site Lulu.com.

  • OSRIC:

O OSRIC, ou Old School Reference and Index Compilation, recria as regras do AD&D 1ª Edição em compatibilidade com a OGL. Causou polêmica, pois é praticamente idêntico ao RPG escrito por Gary Gygax.

Lançado em 2006, o OSRIC em sua primeira versão não foi feito para ser jogado, e sim para dar um caminho para editoras lançarem material compatível com a 1E sem problemas com a lei de copyright, do mesmo jeito que a OGL/SRD permite que qualquer um lance material para o d20 System. Até agora deu certo, pois mais de 50 produtos descrevem-se como “compatíveis com OSRIC”. Ou seja, ao ver que um módulo ou suplemento é compatível com OSRIC, o jogador já sabe que na realidade é um produto 1E.

Capa do livro básico de OSRIC

Capa do livro básico de OSRIC

Em 2008 foi lançada a v2.0, com mais de 400 páginas e dando um grande passo na transformação em um “jogo completo”. A segunda versão contém material que não estava presente na primeira, como alguns monstros e tesouros. Mas os próprios “escritores” recomendam que se você quer jogar 1E, é melhor fazê-lo com a obra de Gygax.

Para baixar o OSRIC gratuitamente, é só visitar o site oficial, clicando aqui.

  • Mazes & Minotaurs:

Mazes & Minotaurs, lançado em 2006, é o que seria do D&D caso Gygax e Arneson tivessem se inspirado na mitologia grega e não na obra de Tolkien e similares da fantasia “clássica”. O panteão, por exemplo, é aquele que todos conhecemos, com Zeus, Poseidon, etc. O jogo está disponível em duas versões: as regras de 1972 (inspiradas no Original D&D) e as regras revisadas de 1987 (lançadas em 2007 e inspiradas no AD&D 1ª Edição).

Talvez por ser inspirado na Grécia, seja o mais diferente de todos os retrô-clones. Até os 6 atributos clássicos mudaram: agora são Might (força física), Skill (treinamento e uso de armas), Luck (sorte e auxílio divino), Wits (inteligência e percepção), Faith (piedade e devoção religiosa) e Grace (beleza e atração). A mudança nos nomes pode até assustar, mas no fundo são a mesma coisa. Como no Sistema d20, há apenas um simples bônus para a pontuação de cada atributo, variando de -3 até +3 na versão de 1972 e de -4 até +4 na versão de 1987.

No M&M72, as regras estão contidas em um só livro. As classes (não há divisão de raças) são Barbarian, Spearman, Noble, Priest, Sorcerer e Nymphs. Cada uma delas requer um atributo base: para se ser um Barbarian, por exemplo, é necessário que Might seja sua habilidade mais alta. Há também restrições de sexo: Nymph, por exemplo, é exclusividade do sexo feminino. A rolagem dos atributos é feita com 4d6, descartando o valor mais baixo. O jogador distribui os valores entre as habilidades da maneira que quiser.

Já no M&M87, as regras estão divididas em três livros: Players Manual (dos jogadores), Maze Masters Guide (dos mestres) e Creature Compendium (dos monstros). As classes estão divididas em três tipos: Warriors (Amazons, Barbarians, Centaurs, Nobles e Spearmen), Specialists (Hunters e Thieves) e Magicians (Elementalists, Lyrists, Nymphs, Priests e Sorcerers). Agora, cada classe pede dois atributos base. Utilizando o mesmo exemplo do Barbarian, agora é necessário que Might e Will sejam os atributos mais altos. A rolagem dos atributos aqui é diferente: rola-se 2d6+6 seis vezes, distribuindo as seis rolagens como quiser. Assim fica mais fácil conseguir os atributos base para a classe desejada.

Capa do Players Handbook

Capa do Players Manual da versão de 1987

Nas duas “edições” o sistema na realização de ações e combate é simples e semelhante ao D&D 3E: rola-se 1d20, modificadores são somados/subtraídos e tenta-se superar o nível de dificuldade daquela ação.

Para ambas as versões há suplementos com regras e classes alternativas. Há também o Minotaur Quartely, a webzine oficial de M&M, e a aventura Tomb of the Bull King, com incríveis 200 páginas. Assim como os livros básicos, é tudo disponível gratuitamente no site oficial.

  • Labyrinth Lord:

LL foi publicado pela Goblinoid Games em 2007 e simula as edições Basic/Expert de Moldvay e Cook, sendo quase igual às versões originais, que podem ser usadas com Labyrinth Lord com quase ou nenhuma adaptação. Dessa forma, é mais um jogo que permite a publicação de material para edições antigas. A Goblinoid Games impõe algumas poucas condições para se atestar a compatibilidade com o jogo.

Ao contrário do BFRPG que também usa como base o B/X D&D, em LL não há “modernidades” como separação de classe e raça ou CA ascendente. Cada classe ao chegar ao 9° nível ganha um benefício: anões podem construir uma fortaleza subterrânea, usuários de magia podem fábricar itens mágicos e criar novas magias, e por aí vai. Todas as regras estão presentes em um só livro, que em sua versão alternativa possui uma belíssima capa. O artwork interno é também muito bonito. No fim do livro, temos uma pequena aventura para jogadores iniciantes e o mapa de um pequeno cenário, chamado de Known Lands. Existe material de expansão para esse cenário no site do jogo.

Capa de Labyrinth Lord em sua versão regular

Capa de Labyrinth Lord em sua versão regular

Capa de Labyrinth Lord em sua versão alternativa

Capa de Labyrinth Lord em sua versão alternativa

Labyrinth Lords está disponível para download gratuito, em seu site oficial. Para comprar uma versão impressa (em capa mole ou em capa dura), basta ir até a página da Goblinoid Games na Lulu.com. Tanto na versão impressa quanto em .pdf, é possível escolher qual capa você quer.

  • Swords & Wizardry:

Publicado em 2008 pela Mythmere Games, o Swords & Wizardry é um clone do OD&D, a primeira edição, escrita pro Gary Gygax e Dave Arneson e lançada em 1974. Atualmente, S&W possui duas versões: Core Rules, que corresponde aos 3 livros do Original D&D (são eles: Volume 1: Men & Magic; Volume 2: Monsters & Treasure; Volume 3: Underworld & Wilderness Adventures), mais os suplementos que foram publicados até 1979 e algumas house-rules de Gygax; e a Whitebox, que corresponde somente aos três livros.

No jogo há uma pequena separação entre raça e classe: caso seu personagem seja humano, ele pode escolher entre ser um Magic-User, Cleric ou um Fighting-Man. Caso não seja humano, ele pode ser um Anão, Elfo ou Halfling, mas sem possibilidade de escolher uma classe. Não existem tendências em S&W, porque segundo o autor, o estilo de jogo não é a luta de “good x evil”: o objetivo principal é ficar famoso e acumular tesouros. Caso alguém ainda queira usar alinhamentos no jogo, o livro sugere que se use três: Law, Chaos e Neutrality. Há também a possibilidade de escolher entre CA ascendente ou descendente, há tabelas no livro para as duas situações. A decisão cabe ao mestre.

A principal diferença entre a edição Core Rules e a edição White Box é que a segunda é muito menos “poderosa”: as magias dos Magic-Users só vão até o 6° nível (na Core elas vão até o 9°), os dados de vida de todos os personagens são os mesmos (1d6) e existem diferenças na progressão de níveis dos personagens, só para citar algumas.

As capas das duas versões são assinadas por Pete Mullen, que tem um traço muito parecido com o do lendário Erol Otus (ainda falarei dele por aqui), cuja arte está presente em diversos produtos de Dungeons & Dragons e no banner do blog.

Capa da versão Core Rules

Capa da versão Core Rules

Capa da versão Whitebox

Capa da versão Whitebox

As duas versões de S&W estão disponíveis para download gratuito no site oficial da Mythmere Games. Além do tradicional .pdf, você pode baixar também em .doc, onde você pode copiar/colar suas house-rules e qualquer outra regra que quiser. No site você também encontra suplementos gratuitos como o “OE Monster Compendium” (com centenas de monstros), fichas de personagem, geradores de personagem, etc. Para adquirir os RPGs em sua versão impressa, visite a página da Mythmere Games na Lulu.com.

________________________

De mais relevante, só ficou de fora o Microlite74. Vou esperar o lançamento da versão 2.0 (que deve acontecer agora em meados de Março) para escrever sobre ele. Em outra oportunidade eu talvez aborde alguns jogos mais desconhecidos, como o Spellcraft & Swordplay.

Na próxima parte do artigo, as principais editoras que publicam/produzem material old school.

Anúncios

7 Respostas to “O Renascimento Old School – Parte II”

  1. Gabriel Says:

    Maravilhoso o seu Blog Daniel! Excelente para divulgar essa nova onda Old School dos jogos de RPG. Estou preparando uma campanha de LL e estou curioso para utilizar o “Original Edition Characters” que parece que está fazendo bastante sucesso! O que você acha de colocar alguma coisa desse suplemento por aqui? Com certeza esse espaço vai para os meus favoritos!

    Abração!

    • Daniel Oliveira Says:

      Gabriel, eu ainda não pretendo falar sobre o Original Edition Characters… Mas pode ser que mais tarde eu faça um artigo sobre os melhores suplementos que surgiram nos últimos tempos. Se você quer deixar o LL com um jeito mais de OD&D, eu recomendo o suplemento. Ele muda principalmente as classes, eliminando o Thief por exemplo, que não existia na OE. Mas a maioria do livro é só a lista de magias mesmo, que não são muito diferentes das que já vem em LL.

      Abraço!

  2. Gabriel Says:

    Legal Daniel! Valeu pela dica!
    Segundo fãs do OD&D situações no jogo podem ficar muito menos automáticas e mais emocionantes sem a classe do ladrão – pretendo experimentar isso pela primeira vez. Essa é uma discussão muito interessante que rola no Original D&D discussion.
    Vamos ver o que vai rolar no jogo…
    Valeu!

    • Daniel Oliveira Says:

      Sei lá… Eu não me imagino jogando sem o Ladrão 😀
      Mas a proposta de regra que postaram lá, levando em conta o AC é realmente boa, para personagens que não tem as habilidades de ladrão.
      Abraço!

  3. ozzy Says:

    tem algum link pra downoad do mazes and minotaurs? ou uma previsão se chega ao brasil e quando chega?

  4. ozzy Says:

    malz awe n li direito, por favor n me bane!

  5. ozzy Says:

    e parabens pelo blog, to baxando tudo do mazes and minotaurs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: